Título: A invenção das Asas
Título Original: The Invention of Wings
Autora: Sue Monk Kidd
Nº de Páginas: 324
Editora: Paralela 
Ano: 2014
Nota:  4/5











Filha dos Grinké, uma conceituada família da Carolina do Sul, o sonho de Sarah, baseado em seu intenso senso de justiça, é seguir os passos do pai e tornar-se uma juíza renomada, ideia que logo é descartada e ridicularizada pelos homens da família pois uma mulher ser bem sucedida profissionalmente lhes parece inconcebível.

"...por que Deus coloca desejos tão profundos em nós, se não dão em nada?" p. 239

Hetty "Encrenca" é uma criança escrava que, tal como a mãe, Charlotte, trabalha como costureira na casa da família Grinké.

Em seu aniversário de 11 anos, Sarah Grinké recebe Encrenca como seu presente. Ela recusa-se a aceitar uma pessoa como presente. Sarah redige e assina um termo onde liberta Encrenca do trabalho escravo, expressando desde então suas tendências abolicionistas.
E assim começa a história, narrada ao longo de 35 anos, sobre duas mulheres igualmente presas, buscando a liberdade não só de seus corpos como também de suas mentes, diante das imposições de uma sociedade cruel e preconceituosa.

“'Mamãe, por favor, deixe... deixe-me devolver Hetty pra você.' Devolver Hetty. Como se ela fosse minha. Como se ter pessoas fosse tão natural quanto respirar. Apesar de toda a minha resistência em relação à escravidão, eu respirava aquele ar doente também." p. 21
Com o passar dos anos, Sarah sente-se cada vez mais impotente em relação às injustiças de sua época  e as ferocidades cometidas contra escravos, todos os dias, diante de seus olhos.

"Meu corpo pode ser escravo, mas não minha mente. Pra você é o contrário." Hetty Encrenca para Sarah Grinké - p. 178

Após muitos anos vivendo sob o mesmo teto da mãe, Mary, uma mulher extremamente impiedosa no que se refere aos castigos aplicados em seus escravos, Sarah sente um impulso de liberdade e parte para a Filadélfia, onde adere ao Quakerismo .
Mais tarde, Angelina, filha mais nova dos Grinké, dotada de desejos de justiça tão intensos quanto os de Sarah, une-se à irmã e ambas começam uma peregrinação pela America, defendendo não só a liberdade dos negros como também a igualdade entre homens e mulheres.

"Elas passaram por uma longa e dolorosa metamorfose, separando-se da família, da religião, da terra natal, das tradições, tornando-se exiladas e, por fim, párias, em Charleston." Nota da autora. P. 316

Encrenca tem papel importante no livro pois, nos apresenta o mundo pelo ponto de vista dos escravos. Através de sua narrativa, conhecemos as barbáries às quais escravos eram submetidos, como por exemplo os castigos que não só dilaceravam a pele como, inevitavelmente, deixavam hematomas na alma. É revoltante ler sobre sua passagem pela Casa de Trabalho, local onde escravos eram submetidos a diversos tipos de castigos, todos com níveis extremos de crueldade. Assim como é maravilhoso testemunhar sua luta e sua coragem, vivendo diante de situações interiormente avassaladoras, porém, sem perder a esperança e a vontade de viver e ser livre.

A autora mesclou de forma interessante personagens fictícios com histórias de pessoas reais. Baseada em pesquisas sobre a vida das irmãs Grinké, Sue Monk Kidd nos faz mergulhar no século XIX de forma atraente e realista.




Artigos relacionados:




Quote da Semana

"Somos todos estranhos de um jeito diferente, e isso é normal. E mesmo que exista muita coisa que eu não possa dizer para eles, é bom me sentir parte de um grupo." (Cartas de Amor aos Mortos - Ava Dellaira)

0 comentários:

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Não deixe de comentar...

Topo